A parábola do rico insensato - Lucas 12:13-21



"Alguém da multidão lhe disse: "Mestre, dize a meu irmão que divida a herança comigo". Respondeu Jesus: "Homem, quem me designou juiz ou árbitro entre vocês?

"Então lhes disse: "Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens". Então lhes contou esta parábola:

"A terra de certo homem rico produziu muito bem. Ele pensou consigo mesmo: ‘O que vou fazer? Não tenho onde armazenar minha colheita’. "Então disse: ‘Já sei o que vou fazer. Vou derrubar os meus celeiros e construir outros maiores, e ali guardarei toda a minha safra e todos os meus bens. E direi a mim mesmo: Você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se’." Contudo, Deus lhe disse: ‘Insensato! Esta mesma noite a sua vida lhe será exigida. Então, quem ficará com o que você preparou? ’"Assim acontece com quem guarda para si riquezas, mas não é rico para com Deus". Lucas 12:13-21

Nessa parábola, Jesus faz uma séria advertência quanto à ganância no coração dos homens e nos transmite preciosas lições através da história de um homem rico. Este homem conseguiu uma grande colheita em suas terras e decidiu construir celeiros maiores para guardar todo o alimento e aproveitar a sua riqueza por muitos anos. Em seu pensamento disse: “você tem grande quantidade de bens, armazenados para muitos anos. Descanse, coma, beba e alegre-se!” Mas, Deus não se agradou dele.

A insensatez daquele homem vinha da sua autossuficiência, cobiça e egoísmo. Era orgulhoso da sua fortuna, mas cego e miserável espiritualmente. Confiou o seu coração nas riquezas e não nAquele que lhe havia abençoado. Ele não pensava em Deus, sequer lhe rendia graças pelo fruto da ceifa e tão pouco se lembrava das pessoas necessitadas que poderiam ser beneficiadas com a sua colheita. As riquezas tornaram-se um ídolo em seu coração e nada valeram para a eternidade.

A Bíblia diz que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. De um coração cobiçoso nascem os golpes, roubos, discórdias, mentiras, traições e toda a espécie de pecado. A cobiça conduz o homem à avareza e uma vida egocêntrica, voltada apenas para os seus próprios interesses.

“pois o amor ao dinheiro é raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram a si mesmas com muitos sofrimentos” 1 Tm 6:10.

A Palavra de Deus adverte quanto ao risco do dinheiro ser o maior valor na vida do homem. Em Efésios 5:5 diz:

"Porque vocês podem estar certos disto: nenhum imoral, nem impuro, nem ganancioso, que é idólatra, tem herança no Reino de Cristo e de Deus."

Vivemos em uma sociedade marcada pelo consumismo, pela busca insaciável por maiores posições e prosperidade financeira. Uns se tornam tão compulsivos em conquistar, que estão sempre insatisfeitos com o que possuem. Outros, não ambicionam grandes fortunas, mas são tão aflitos com o amanhã, que se ocupam demais com o trabalho e deixam de lado a Deus e a sua própria família. A preocupação e a angústia quanto ao futuro revelam nessas pessoas a ausência de fé no amor de Deus, no Seu cuidado e poder para suprir todas as suas necessidades.

O rico imaginava ter o controle do tempo de sua vida e tinha a certeza de que toda a sua fortuna lhe garantiria um futuro seguro e tranquilo. Contudo, a morte chegou e o seu fim também. O Senhor Jesus ensinou que os bens que o homem possa acumular na terra não podem lhe trazer real segurança. Ele disse: "Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua Justiça e todas as demais coisas vos serão acrescentadas" Mt 6:33.

Não podemos ser insensatos desconsiderando que um dia morreremos e que a única segurança de que dispomos está no relacionamento que tivermos em vida com Deus, pela fé em Seu Filho Jesus Cristo. O Senhor definirá o momento em que deixaremos esta vida, quando prestaremos contas da forma como lidamos com as bênçãos recebidas na terra.

E você? Se hoje fosse o seu último dia, o que teria para apresentar a Deus? De que maneira você tem vivido?

As possessões na terra não podem ser o alvo das nossas vidas. Jesus encerrou a parábola dizendo qual alvo devemos buscar: sermos ricos para com Deus!

Exorta aos ricos do presente século que não sejam orgulhosos, nem depositem a sua esperança na instabilidade da riqueza, mas em Deus, que tudo nos proporciona ricamente para nosso aprazimento; que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras, generosos em dar e prontos a repartir (1Tm 6:17-18).

O trabalho é uma ordem bíblica. É o meio pelo qual obtemos o sustento para vivermos dignamente. O problema está quando confiamos a nossa segurança no dinheiro e nos ocupamos em buscá-lo em primazia. Nada pode ocupar o primeiro lugar de nossas vidas, a não ser Deus.

Busque ao Senhor a cada dia e deposite nEle toda a sua confiança, crendo que o Senhor não apenas cuidará de você como também irá abençoá-lo para auxiliar outras vidas em dificuldades. Crer em Cristo pressupõe obedecer o Seu mandamento de amar os outros. Doar, repartir e atender as necessidades de quem está próximo, coloca o amor em prática.

Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração (Mt 6:19-21).

Precisa de oração? Deixei seu pedido aqui abaixo!

© 2020 Projeto Mente Renovada.

Orgulhosamente desenvolvido por creisconsultoria.com

creis logo.webp