Não despreze a Palavra de Deus! Romanos 1:16-32



O livro de Romanos consiste na carta mais longa escrita pelo Apóstolo Paulo endereçada aos cristãos da Igreja em Roma. Ela anuncia muitas verdades aplicáveis tanto aos seus destinatários como aos leitores dos tempos atuais. Neste estudo, citaremos o texto bíblico do capítulo 1, versículos 16-32 e, em seguida, abordaremos os comentários a partir do versículo 18:

O PODER DO EVANGELHO

"Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê: primeiro do judeu, depois do grego.

Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: "O justo viverá pela fé".

A IRA DE DEUS CONTRA O PECADO

Portanto, a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou.

Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos, trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal, bem como de pássaros, quadrúpedes e répteis.

Por isso Deus os entregou à impureza sexual, segundo os desejos pecaminosos dos seus corações, para a degradação dos seus corpos entre si. Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém.

Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.

Além do mais, visto que desprezaram o conhecimento de Deus, ele os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem o que não deviam. Tornaram-se cheios de toda sorte de injustiça, maldade, ganância e depravação. Estão cheios de inveja, homicídio, rivalidades, engano e malícia. São bisbilhoteiros, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, arrogantes e presunçosos; inventam maneiras de praticar o mal; desobedecem a seus pais; são insensatos, desleais, sem amor pela família, implacáveis.

Embora conheçam o justo decreto de Deus, de que as pessoas que praticam tais coisas merecem a morte, não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam.” Romanos 1:16-32

A IRA DE DEUS

Paulo explica a partir do versículo 18 a importância do Evangelho, uma vez que os homens estão debaixo da ira de Deus e precisam de salvação.

Não são poucas as pessoas que confiam no amor de Deus, mas rejeitam o conceito de condenação eterna para os pecadores. Parece incompreensível conciliar o amor de Deus com o conceito de sofrimento dos ímpios após a morte. 

De fato, Deus é amor (Salmos 136:1Romanos 8:38-39) e ama todas as pessoas, sejam boas ou más, incondicionalmente. No entanto, Ele manifesta a sua ira contra o pecado.

Deus é totalmente separado do mal em virtude da Sua santidade, justiça e perfeição moral e não mantém comunhão com aqueles que praticam a iniquidade (Isaías 59:1,2; Provérbios 15:29).

Semelhantemente, podemos comparar o senso comum de justiça do homem, que é raso e falho, contra os que, violando às leis vigentes, atacam à sua dignidade, integridade física ou patrimonial. A justiça terrena impõe pena aos criminosos pelo mal que fizeram na medida da punição prevista em lei. 

Deus, por sua vez, é absolutamente íntegro, puro, bom, santo e justo, razão pela qual mostra a Sua indignação contra o pecado, cujo salário (pena) é a morte eterna (Romanos 6:23).

O texto aos Romanos revela que a ira de Deus é revelada do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça.  No Antigo Testamento, vemos Deus repudiando o pecado dos homens, em alguns episódios como no dilúvio (Gênesis 6:1-8), na destruição de Sodoma e Gomorra (Gênesis19) e pela prática da idolatria (Deuteronômio 2:15). No Novo Testamento, consta a revelação de que a ira de Deus se manifestará em castigo eterno sobre os que não se arrependerem (2 Tessalonicenses 1:9Mateus 13:41,42).

Infelizmente, vivemos no tempo em que, em nome do amor, a verdade é silenciada e o pecado tolerado. Em nome do respeito, se oculta a palavra que conduz à vida e tem o poder de salvar o mais terrível pecador.

Devemos repudiar o pecado por amor a Deus e à Sua justiça, levando as boas novas da salvação a todos, sem distinção. O desejo de Deus é que todos os homens sejam salvos e nenhum se perca.

“Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para conosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2 Pedro 3.9).

Amamos pessoas quando a conduzimos ao amor de Deus, juntamente com a compreensão do pecado e das consequências das práticas que nos afastam da presença do Senhor.

OS HOMENS SÃO INDESCULPÁVEIS

Por meio dos seres criados e da magnífica natureza Deus se revela ao homem, dando testemunho de Si mesmo (Salmos 19:1,2). Todas as pessoas, ainda que não tenham aprendido um conhecimento mínimo sobre Deus podem crer na Sua existência, inclusive em razão da voz da consciência, que aponta a distinção moral do que é certo e errado, em certa medida.

Mesmo assim, os homens não atentaram para Deus, não O glorificaram, nem Lhe deram graças, ao reconhecer Sua benignidade e misericórdia. Julgaram-se “sábios de entendimento” e tornaram-se loucos.

NÃO GLORIFICARAM A DEUS E SERVIRAM MAIS À CRIATURA DO QUE O CRIADOR

Os homens afetados pelo pecado não se contentaram com a verdade sobre a existência de Deus e começaram a adorar a criatura ao invés do Criador. 

Embora criados para adorar o Deus que os criou, os homens ao longo da sua existência, O rejeitaram para adorar outra coisa. Voltaram-se para a adoração dos astros, elementos da natureza, objetos e até de homens, elevando-os à condição de “Deuses”.

A idolatria é bastante abrangente e se caracteriza quando colocamos qualquer coisa, pessoa ou espírito no lugar de Deus. Podemos cair em idolatria até mesmo em relação às aspirações pessoais, bens materiais, entes queridos, colocando-os acima de Deus e da Sua justiça.

DEUS OS ENTREGOU ÀS SUAS VONTADES PECAMINOSAS

Por desprezarem o conhecimento da verdade, Deus entregou os homens aos seus próprios desejos pecaminosos, para desonrarem os seus corpos entre si.  Os homens e mulheres deixaram o uso natural do sexo criado por Deus e assumiram a homossexualidade, sem incômodo algum, seguindo as práticas abomináveis ao Senhor descritas em Levítico 18:22Levítico 20:131 Timóteo 1:10 e 2 Pedro 2:6.

Quando as pessoas deliberadamente rejeitam o conhecimento sobre Deus e a Sua vontade, são entregues aos seus próprios sentimentos perversos que dominam suas mentes para fazerem coisas que não convém; estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade.  

São murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia.

CONSENTIMENTO COM O PECADO DO OUTRO

Ainda que alguém não se veja inserido em uma dessas práticas listadas neste capítulo, torna-se igualmente responsável quando consente ou torna-se conivente com aqueles que as praticam.

Neste contexto, vemos com tristeza pessoas que apoiam os pecados de familiares em prol da boa convivência de seus membros, e amigos que se tornam condescendentes dos pecados do grupo em respeito à amizade e pelo mútuo afeto que os une.

De igual modo, estão aqueles que sentem prazer em cenas imorais, cada vez mais dominantes no mundo do entretenimento. Ainda que não cometam os mesmos atos tornam-se partícipes deles quando se dispõem a contemplá-los, tendo íntima satisfação, sem qualquer reprovação pessoal.

O capítulo se encerra com a revelação de que os que praticam tais coisas ou consentem o seu cometimento estão sujeitos à morte eterna.

O PODER DO EVANGELHO

Uma vez que todos são pecadores e precisam do perdão de Deus (Romanos 3:23), o versículo 16 da epístola do Apóstolo Paulo aos Romanos diz que ele não se envergonha do Evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê.

A justiça de Deus é revelada no Evangelho. O Senhor não convive com o pecado e sua prática nos separa dEle espiritualmente. Mas, Deus por seu grande amor e misericórdia, proveu um modo para cumprir a exigência da Sua justiça, enviando Seu Filho Jesus Cristo, sem pecado, para morrer como nosso substituto e pagar a pena que seria atribuída a nós pecadores.

O perdão de Deus está disponível a todos. Ao respondermos com fé ao chamado de Deus para o arrependimento dos pecados, recebemos o dom do Espírito Santo que nos ajuda a viver uma vida segundo o padrão da justiça de Deus (Atos 2:38).

Muitos até procuram vencer o pecado pelo próprio esforço, mas sozinhos não alcançam êxito porque somente o Senhor Jesus pode libertar o homem completamente (João 15:5).

Não despreze a Palavra de Deus, nem desdenhe seus avisos por meio da pregação do Evangelho. Receba com fé a Palavra do Senhor em seu coração e abrace a graça que hoje é concedida ao que creem em Seu Filho.

Pela fé no Senhor Jesus podemos ser reconciliados com Deus, salvos para a vida eterna e libertos dos vícios que escravizam, da malignidade dos lábios, do olhar invejoso, dos comportamentos sexuais pecaminosos, da desonestidade, da mentira e de qualquer outro pecado que exerça domínio sobre a nossa vida.

Tenha vida com Cristo e experimente a boa vontade de Deus para você!

"Pois o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" Romanos 6:23.

“Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres” João 8:36.

Precisa de oração? Deixei seu pedido aqui abaixo!

© 2020 Projeto Mente Renovada.

Orgulhosamente desenvolvido por creisconsultoria.com

creis logo.webp