Mulher: o presente de Deus para o Homem / Violência Doméstica e o Papel do Marido na Relação Conjugal






Assustadoramente, crescem os índices de violência contra as mulheres e de feminicídio cometidos, em sua maioria, por maridos movidos de ódio e sentimento de posse sobre a vida da esposa.  A cada dia, surgem notícias do avanço de crimes dessa natureza e este tema vem sido amplamente debatido em prol de medidas mais efetivas na prevenção e combate às taxas de agressão e morte de mulheres em nosso país.  Neste post, propomos a abordar o assunto sob a ótica de Deus, especialmente quanto ao papel do homem na relação conjugal, segundo a revelação contida nas Sagradas Escrituras.

A Bíblia diz que Deus criou o homem e a mulher de formas distintas, para que unidos, fossem completos e se tornassem uma só carne, formando a família (Marcos 10:6-9).

“E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou” (Gênesis 1:27).

A família é o projeto nascido no coração de Deus para o bem do homem e da mulher e o Seu desejo é abençoar os lares, conforme a promessa dada a Abraão e a toda a sua descendência, pela fé (Gênesis 12:1-3).

Mas se quisermos experimentar a benção do Senhor, devemos conhecer a visão bíblica sobre o casamento e cumprir os princípios divinos para o bom funcionamento da família. Atender ao que está escrito na Bíblia é aceitar o ensino do próprio Deus e isso faz toda a diferença na vida de uma pessoa, inclusive na área conjugal.

O Texto Sagrado diz que quando o homem encontra uma esposa, ele recebe um presente de Deus, pois o Senhor lhe entregou uma parceira para auxiliar e acompanhá-lo por toda a sua vida:

“Quem encontra uma esposa encontra algo excelente; recebeu uma bênção do Senhor” (Provérbios 18:22).

O nível de amor do marido pela esposa deve ser o mesmo de Cristo, que sacrificou até a última gota de seu sangue por cada um de nós:

“Maridos, amem vossas esposas, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela” (Efésios 5, 25).
“Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo” (Efésios 5:28).

O tratamento dado à esposa pelo marido guarda direta relação com a resposta de Deus às suas orações. Em 1 Pedro 3:7 está escrito que os maridos devem respeitar e honrar suas mulheres, para que suas orações não sejam interrompidas diante do Senhor:

Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações” (1 Pedro 3:7).

O casamento implica em dar prioridade ao outro e não a si mesmo unicamente. Ele deve ser honrado por todos e conservado puro, pois Deus julgará os imorais e os adúlteros (Hebreus 13:4; Deuteronômio 24.5; Coríntios 10.24).

É certo que muitos maridos nasceram em um lar conturbado e violento, por isso, reproduzem esse modelo em suas famílias, herdando padrões de comportamento fora dos princípios bíblicos. Mas este ciclo pode ser descontinuado quando o homem dá ouvidos à voz do Senhor.

A Bíblia é a revelação da vontade de Deus para o homem e nos diz qual o modelo certo a seguir e por qual caminho devemos andar: Cristo Jesus! Ele disse:

“Vocês ouviram o que foi dito a seus antepassados: ‘Não mate. Se cometer homicídio, estará sujeito a julgamento’.  Eu, porém, lhes digo que basta irar-se contra alguém para estar sujeito a julgamento. Quem xingar alguém de estúpido, corre o risco de ser levado ao tribunal. Quem chamar alguém de louco, corre o risco de ir para o inferno de fogo” (Mateus 5:21,22).

Vemos que o Senhor Jesus adverte que a ira guardada no coração, contra qualquer pessoa, é extremamente repreensível aos olhos de Deus e é equiparada ao pecado de assassinato.

Os maridos que nutrem rancor, ódio, ira desenfreada e chegam a cometer violência física e moral contra as suas mulheres, afrontam ao próprio Deus porque se levantam contra a preciosa criação do Senhor, feita à Sua imagem e semelhança.

De igual modo, aqueles que insultam suas esposas ou as ridicularizam perante os amigos, expondo suas falhas para rebaixá-las também pecam tremendamente. Portanto, maridos, não ofendam a Deus pelo tratamento que vocês dispensam a sua mulher (Salmos 11:5; Colossenses 3:19).

“Nós sabemos que já passamos da morte para a vida e sabemos isso porque amamos os nossos irmãos. Quem não ama está ainda morto. Quem odeia o seu irmão é assassino, e vocês sabem que nenhum assassino tem em si a vida eterna” (1 João 3:14-15).

A crescente desestruturação das famílias e o aumento das agressões às mulheres evidenciam a falta de temor de Deus no interior do homem, de seu coração, por onde deve ser iniciado o combate à violência. Está escrito: “guarde o coração, acima de tudo, porque dele depende toda a sua vida” (Provérbios 4:23). É necessário mantê-lo puro, livre da ira, amargura ou ressentimentos.

“Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mateus 15:18-19).

Do coração perverso e irado nasce todo o tipo de violência, por isso é tão importante purificá-lo dos maus sentimentos e assumir o abandono de todo o comportamento contrário à vontade de Deus, segundo o padrão bíblico atribuído ao homem na relação conjugal. 

Se pela leitura dessas linhas você reconheceu estar agindo contra à vontade de Deus, no que diz respeito ao tratamento dado a sua esposa, anime-se: Jesus te chama! Ele veio para os pecadores, isto é, para todos, porque todos pecaram (Romanos 3:23). Em Lucas 5:32, o Senhor disse: “Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento.”

Aquele que se arrepende, recebe o perdão de Deus e se torna livre para experimentar uma alegria e paz sem medidas, pois a presença do Senhor será com ele e tudo se fará novo! Deus transforma corações de pedra em corações de carne, dando condições de amar e dominar os impulsos nocivos, mesmo em situações difíceis e dolorosas (Ezequiel 36:26-28).

O casamento não foi planejado por Deus para ser palco de brigas, violências e abusos. Existem conflitos e diferenças em todos os relacionamentos, mas a felicidade da relação precisa ser conquistada todos os dias, em submissão aos ensinos de Cristo, com amor e disposição de vontade para o diálogo, paciência, perdão, tolerância e união. O homem que teme ao Senhor, honra a sua esposa e atrai as bênçãos do céu para o seu lar.


“Como é feliz quem teme ao Senhor, quem anda em seus caminhos! Você comerá do fruto do seu trabalho, e será feliz e próspero. Sua mulher será como videira frutífera em sua casa; seus filhos serão como brotos de oliveira ao redor da sua mesa. Assim será abençoado o homem que teme ao Senhor!" (Salmos 128:1-4)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Postagens mais visitadas

Entre em Contato Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Total de visualizações de página